Buscar
  • Pajubá Festival de Cinema LGBTI do Rio de Janeiro

Confira a programação completa, de 08 a 14 de março




Evento online e gratuito conta com exibição de curtas, seminários, debates e masterclasses, encerrando com uma premiação. Mostra paralela terá obras de grandes personalidades brasileiras.


Chama as manas, monas, minas e manos! Depois de anunciar sua primeira edição e convocar realizadores de todo o país para inscrevem suas obras audiovisuais, o 1º Pajubá – Festival de Cinema LGBTI+ do Rio de Janeiro anuncia sua programação oficial completa. De 08 a 14 de março, o evento, que será transmitido pela internet gratuitamente e para todes, oferecerá uma série de atividades aos espectadores interessados em cultura e diversidade sexual, tão pulsantes e ricas, mas ainda pouco incentivadas e levadas ao grande público. Diariamente, o festival exibirá 35 filmes diversos em estética, enredo e linguagem, 30 deles selecionados pela curadoria dentre mais de 272 inscrições. O Pajubá também oferecerá debates com os realizadores, seminários e masterclasses com temáticas como roteiro, criação de coletivos e políticas de visibilidade. Veja programação completa abaixo.


Os curtas estão divididos em quatro mostras, sendo três delas competitivas, que são: Mostra Brasil Ficção, Mostra Brasil Documentário e Mostra Regional Fluminense, que promove exclusivamente criadores do estado do Rio de Janeiro. Durante uma semana, público e um júri técnico poderão votar em seus curtas favoritos e ajudar a eleger os premiados deste ano em categorias como melhor filme, atuação e prêmio especial. Haverá ainda a categoria Revista Híbrida, para a obra que mais se destacar entre os seguidores e jornalistas do site especializado em notícias do universo LGBT+. Além dos troféus, os premiados ainda receberão os filmes em formato de acessibilidade.


Também haverá a exibição de cinco curtas sobre importantes personalidades que usam sua arte, corpos e lideranças para promover a igualdade de direitos para a comunidade. Na Mostra Paralela Atraque foram selecionados os filmes “Majur” (2018), “Tailor” (2017), “Lua” (2017), “Ingrid” (2016) e “Diário de Márcia” (2011).


A cerimônia de encerramento será comandada pelas drag queens Palloma Maremoto e Maybe Love foi gravada seguindo todos os protocolos sanitários exigidos, será transmitida no dia 14 de março, encerrando o evento e revelando os filmes vencedores em seis categorias de premiação.


Ao longo de todo o período de inscrição, seleção e realização do evento, as redes sociais do festival divulgam informações oficiais. Criado, planejado e executado por um time de 30 profissionais de minorias sociais, o 1º Pajubá – Festival de Cinema LGBTI+ do Rio de Janeiro é apresentado pelo Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, Prefeitura do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura, através da Lei Aldir Blanc. O evento é uma realização da Cinetrupe Produções em parceria com a Um Silva Cultura e Conteúdo.


SELEÇÃO OFICIAL


MOSTRA COMPETITIVA BRASIL FICÇÃO: -Abjetas 288 (Júlia da Costa e Renata Mourão, SE, 2020) -Aonde Vão Os Pés (Débora Zanatta, PR, 2020) -Cuscuz Peitinho (Rodrigo Sena e Julio Castro, RN, 2018) -Ela que Mora no Andar de Cima (Amarildo Martins, PR, 2020) -Meninos Rimam (Lucas Nunes, SP, 2019) -Não Me Chame Assim (Diego Migliorini, SP, 2019) -Os Últimos Românticos do Mundo (Henrique Arruda, PE, 2020) -Papinha de Goiaba (Tiago Fonseca, RJ, 2019) -Perifericu (Nay Mendl, Rosa Caldeira, Stheffany Fernanda e Vita Pereira, SP, 2019) -Reforma (Fábio Leal, PE, 2018) MOSTRA COMPETITIVA BRASIL DOCUMENTÁRIO: -À Beira do Planeta Mainha Soprou A Gente (Bruna Barros e Bruna Castro, BA, 2020) -Bhoreal (Bernardo de Assis, SP, 2020) -Cinema Contemporâneo (Felipe André Silva, PE, 2019) -Dominique (Tatiana Issa e Guto Barra, PA, 2019) -Essa Festa É A Minha Vida (Ulisses Arthur, BA, 2020) -Estação Aquarius (Fernando Brandão, Flávia Correia, Jairis Meldrado, Levy Paz, Rayane Góes e Ticiane Simões, AL, 2019) -Hoje Eu Não Fico No Vestiário (Nicole Lopes, PR, 2019) -Megg- A Margem Que Migra Para O Centro (Larissa Nepomuceno e Edurado Sanches, PR, 2018) -O Que Pode Um Corpo (Victor Di Marco e Márcio Picoli, RS, 2020) -Sangro (Tiago Minamisawa, Bruno H Castro, Guto BR, SP, 2019) MOSTRA COMPETITIVA REGIONAL FLUMINENSE: -Adeus Estrada de Tijolos Amarelos (Hiran Matheus, RJ, 2018) -A Neta de Cibele (Nicole Terra Carvalho, RJ, 2020) -As Canções de Amor De Uma Bixa Velha (André Sandino Costa, RJ, 2020) -Copacabana Madureira (Leonardo Martinelli, RJ, 2020) -Dias (Paulo César, RJ, 2020) -Educação Travesty (Anarca Filmes, RJ, 2018) -Escritas ao Entorno da Carne (Sumé Aguiar, RJ, 2020) -L.G.BAIXADA.T (Artur Fortes, RJ, 2019) -MC Jess (Carla Villa-Lobos, RJ, 2018) -Para Todes (Samara Garcia, Victor Hugo e equipe, RJ, 2020) MOSTRA PARALELA ATRAQUE: -Majur ( Íris [Rafael Irineu], MT, 2018) -Tailor (Calí dos Anjos, RJ, 2017) -Lua (Rosa Miranda, RJ, 2017) -Ingrid (Maick Hannder, MG, 2016) -Diário de Márcia (Bertrand Lira, PB, 2011)


DEBATES:


SEGUNDA, 08 DE MARÇO

19:00 - DEBATE ‘ATRAQUE’ (Live YouTube)


TERÇA, 09 DE MARÇO

19:00 - DEBATE ‘BRASIL FICÇÃO’ (Live YouTube)


QUARTA, 10 DE MARÇO

19:00 - DEBATE ‘BRASIL DOCUMENTÁRIO’ (Live YouTube)


QUINTA, 11 DE MARÇO

19:00 - DEBATE ‘REGIONAL FLUMINENSE’ (Live YouTube)


DOMINGO, 14 DE MARÇO

19h – CERIMÔNIA DE ENCERRAMENTO

MASTERCLASSES:


MASTERCLASS DE COLETIVOS COMO FORMA DE PRODUÇÃO com Ralph Duccini

SEXTA, 12 DE MARÇO ÀS 19:00


Coletivos como forma de produção” tem como objetivo se aprofundar nas possibilidades de produção independentes em forma de estado cooperativo. Se estabelecendo como maneira de resistir através da produção cultural LGBTQI+, a masterclass observará as formas de organização coletivas e os frutos dessas articulações através dos casos do Uivo Coletivo Teatro e Terrorismo Poético e da Coletiva Transpoetas.

MASTERCLASS DE ROTEIRO com Fidelys Fraga

SÁBADO, 13 DE MARÇO ÀS 19:00


Como se dá a relação entre a construção de um personagem e o lugar de fala do roteirista? Roteiros com protagonista ou temática LGBTQI+ são sempre atravessados por conflitos sociais e preconceitos? Quais as fronteiras entre temática LGBTQI+ e filmes panfletários? Como trabalhar isso na escrita do roteiro?

O que são personagens bi e tridimensionais? Qual a relação entre estrutura e protagonista? Existe “filme de personagem” e “filme de trama”? Como se dá a verossimilhança na construção da personagem e o intercâmbio entre diegese e realidade?

A masterclass com o roteirista e dramaturgo Fidelys Fraga investiga as bases da narrativa do filme “Sócrates” e analisa o arco de seu protagonista. A partir da decupagem dos atos e sequências do roteiro, vamos levantar reflexões sobre narrativas hegemônicas e estruturas clássicas, e discutiremos como se apresenta a trajetória do herói vivenciada por Sócrates, um protagonista homossexual.


SEMINÁRIO:


I SEMINÁRIO PAJUBÁ: POLÍTICAS DE VISIBILIDADE LGBTI+ NO AUDIOVISUAL

SEGUNDA, 08 DE MARÇO ÀS 16:00


O “Seminário Pajubá” propõe refletir sobre estudos temáticos voltados a pensar o lugar do LGBTI+ no campo do audiovisual. As discussões serão divididas em três eixos: Políticas Públicas, Visibilidades na Mídia e Espaços de Autorrepresentação.


Mediação: Jocimar Dias Jr (UFF)

Palestrantes:

- Juliana Bravo (UFJF): Políticas Públicas Audiovisuais e Medidas para a Diversidade nas Telas

- Márcio Paixão (UFRJ): Nós falamos de nós: autorrepresentação LGBTQIA+ no cinema independente brasileiro

- Christian Gonzatti (UNISINOS): De X-Pocs à Leona, Assassina Vingativa: uma semiosfera queer e pop audiovisual

132 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo